Por: Fabrício Santana

Nem só de belos ou exóticos fios femininos vive a História da beleza. Dos topetes aos mullets e dos naturais aos tingidos, alguns cabelos masculinos também marcaram época. Influenciaram, também, o universo da moda.

Veja, a seguir, uma seleção com 21 deles.

Na imagem acima, Bach (compositor e músico alemão do período barroco), Luis 16 (rei da França de 1774 a 1792) e Mozart (compositor austríaco do período clássico), respectivamente, aparecem com perucas brancas que eram símbolo de aristocracia e nobreza. Na Inglaterra, existe até hoje a tradição de usar o acessório na ocasião da graduação em cursos como o de Direito.

O topete de Elvis Presley, morto em 1977, é um ícone de beleza e acompanhou o cantor norte-americano em todas as fases de sua carreira. E hoje em dia, o os topetes foram reestilizados e estão na moda novamente. A principal diferença é que os topetes de hoje em dia são mais naturais. Para isso é preciso usar pomadas modeladoras de efeito matte.

Em dois de seus filmes mais famosos, “Os Embalos de Sábado À Noite” (à esq.) e “Grease” (à dir.), o ator John Travolta aparece com um penteado que marcou os anos 70. Os cabelos eram volumosos, modelados com a famosa pasta brilhantina. Hoje em dia, com ajuda de pomadas modeladoras de efeito molhado, esse penteado também foi reestilizado.

O corte de cabelo usado por todos os integrantes dos Beatles, na década de 60, foi batizado de “moptop”. 

Entre os muitos visuais já assumidos pelo cantor David Bowie, o de fios ruivos do álbum “Aladdin Sane”, de 1973, é um clássico. Além da cor chamativa, o corte com topete alto e fios longos pela nuca era marcante. 

Axl Rose, líder da banda Guns N’Roses, nunca abriu mão dos fios longos, que se tornaram sua marca registrada. Na foto, o cantor na década de 90. 

Além do som pesado, a imagem dos integrantes da banda Led Zepellin também tem importante papel na História da música. Os fios bagunçados e sem corte foram símbolos da rebeldia roqueira na década de 70.

Os irmãos Jackson Five, em foto para a gravadora Motown em 1960, mostram os cabelos que marcaram aquela época. Os negros assumiram seus fios volumosos com o “black power”. 

Sex Pistols, banda inglesa de punk rock dos anos 70, também marcou a História da beleza pelos fios de seus integrantes. Principalmente o vocalista, John Lydon, que exibia cabelos descoloridos e arrepiados. Para os mais descolados, o estilo bagunçado ainda vive nos dias. A dica é usar um gel de ultra-fixação. Existem alguns que são próprios para fazer penteados arrepiados.

Outro símbolo de rebeldia, que se tornou marca registrada, foram os cabelos naturalmente loiros e compridos de Kurt Cobain. O cantor norte-americano, morto em 1994, era líder da banda Nirvana. 

Do universo sertanejo brasileiro, mais um cabelo masculino marcante. O corte “mullet” –exibido por duplas brasileiras como Chitãozinho e Xororó na década de 90 –tinha fios arrepiados no topo da cabeça e a parte de trás comprida até os ombros. 

O cantor Roberto Carlos sempre gostou de manter os fios mais longos. Durante toda a sua carreira, exibiu fios compridos na parte de trás e uma leve franja sobre a testa. Na foto, o cantor em 2015. 

As adolescentes dos anos 90 se derretiam pela beleza do cantor Nick Carter, da banda Backstreet Boys. Enquanto isso, os meninos copiavam seu corte de cabelo “tigelinha”.

Um dos itens que ajudaram o cantor canadense Justin Bieber a chamar a atenção do público adolescente, no início de sua carreira há cerca de uma década, foi a franja lisa jogada sobre os olhos. 

Harry Styles, da banda inglesa One Direction, faz a linha despojado com fios longos e bagunçados. O estilo agrada muitos meninos desta geração. 

Em 2002, quando disputou uma de suas Copas do Mundo de futebol com a seleção brasileira, o jogador Ronaldo apostou em um corte de cabelo exótico. A franja curta não foi muito copiada, mas bastante comentada. 

O ex-jogador de futebol David Beckham já exibiu muitos visuais, mas com um deles é visto com mais frequência. O look inclui uma parte de cima volumosa e laterais “batidinhas”. Na foto, o jogador em uma entrevista em 2014. O corte está em alta até hoje. As pomadas de efeito matte dão o toque final.

O jogador de futebol Neymar já mudou o visual algumas vezes; mas também possui uma marca registrada quando o assunto são os cabelos. Seu corte preferido, o moicano, já teve versões em tons de castanho, ruivo e loiro. Na foto, ele aparece em um treino com a seleção brasileira em 2014.

O jogador de futebol David Luiz conta que deixou os fios crescerem quando começou a atuar em times europeus, nos anos 2000. A estratégia era proteger o couro cabeludo, a nuca e as orelhas do frio daquele continente.

Silvio Santos bem que tentou, por uma vez, ficar sem a clássica tonalidade acaju de seus cabelos. Mas, em pouco tempo, desistiu dos fios brancos e voltou a tingi-los. Na foto, o apresentador em seu programa de auditório em 2013.